Qual a estrutura dos planetas, e como se dá a movimentação deles

Para entendermos as estruturas planetárias, é importante saber que os planetas pertencem ao um sistema solar, o nosso sistema solar fica dentro da via láctea. Sua formação é dada aproximadamente há 4,6 bilhões de anos. Segundo alguns astrônomos nosso sistema solar formou-se a partir da mesma nuvem de poeira e gás.

A nuvem é conhecida como nebulosa primitiva, ao ocorrer o então colapso desta nuvem, provocou-se o fim de seu equilíbrio gravitacional e partir daí gerou-se uma contração que deu início ao sistema solar.

Até agosto de 2006, o nosso sistema solar era formado por oito planetas, são eles: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão.

Neste mês, porém a União Astronômica Internacional, modificou os critérios para a definição de um planeta, Plutão então que é considerado pequeno em relação ao restante dos planetas passou a ser chamado de Planetóide ou Planeta anão. Ao contrário das estrelas os planetas não possuem luz própria e só conseguem ser vistos graças a luz que reflete do Sol.

Alguns deles podem até ser vistos a noite a olho nu com a ajuda de um microscópio, ao redor dos planetas gravitam em torno de 67 satélites, dentre eles a Lua, que é o satélite natural do nosso planeta e gravita em torno da Terra.

estruturas-dos-planetas

Entenda mais sobre o assunto:

Como todos sabem as estruturas planetárias são estudadas, e a constituição delas, isto é, de que tipo de matéria suas estruturas são feitas, é o que podemos chamar de teorias indiretas e hipotéticas.  Somente no caso da Terra a estrutura planetária interna é estudada diretamente pelo estudo das ondas sísmicas, e mesmo assim só temos acesso a cerca de 10% da profundidade de seu raio.

Sendo astros de pequena massa os planetas não tem luz própria, isto é, devido a contração gravitacional e energia liberada é insuficiente para elevar a temperatura necessário ao início das reações nucleares; as pressões internas são insignificantes para provocar a degenerescência de um gás de elétrons. É importante lembra que o estudo das estruturas planetárias tem como base o conhecimento da densidade média, do momento da inércia em relação ao eixo rotacional e do achatamento que podem indicar massa maior ou menor em seu núcleo.

Cada planeta faz seu tipo de rotação, isto é, gira em torno de seu próprio eixo, isto quer dizer que cada planeta possui um número diferente de dias e horas de acordo com o seu movimento de rotação. Há também a translação movimento este que os planetas fazem em torno do sol. Sendo assim, podemos concluir que a Terra executa os dois movimentos. Existem dois movimentos pouco mencionados, são eles a processão e a nutação.

A precessão é um movimento cíclico no qual o eixo de rotação terrestre descreve um formato cônico, que é completado a cada 25.800 anos. Já a nutação é uma oscilação do eixo terrestre em torno da posição média em relação a sua órbita, ela é causada por alterações cíclicas da órbita lunar. Em média cada oscilação é efetuada no período de 18 anos e 7 meses.

Gostou do nosso artigo? Não deixe de compartilhar com seus amigos, afinal é muito interessante saber mais sobre como funciona nosso universo!

Receba Valiosas Informações Sobre o Universo...